segunda-feira, 7 de maio de 2018

REFLETINDO SOBRE MONOTIPIAS


Por Liane Esteves - RJ
lianeesteves@gmail.com


As águas de Março lavaram minha Alma e os excessos, prepararam a terra para receber as folhas secas, que plenas de histórias adubarão o solo onde dormirão em sono profundo. Uma profusão de imagens emergirá dos sonhos e inspirará os rebentos da Primavera! E então novas emoções serão gravadas, novas impressões surgirão num ciclo ininterrupto de renascimento e morte, de cujas cinzas surgirão as novas estações.

Em um momento propício e fecundo, durante o recesso de carnaval de 2018, me recolhi com a finalidade de refletir sobre meus estudos recentes para uma série de oficinas que desenvolvi com o objetivo de pensar e praticar terapeuticamente a linguagem da gravura. Após meses de gestação dessas oficinas, que denominei “Gravando Emoções”, minhas percepções jorravam como as chuvas de verão. Um dia após a quarta-feira de cinzas acordei com as palavras brotando pelos poros. Com o lápis na mão deixei grafado esse turbilhão de pensamentos e emoções. Durante um mês, em sincronia com as águas de Março que fechavam o verão, cuidei e reguei essas emoções e reflexões em sua própria água, uma verdadeira solutio. Ao findar a estação, tinha concluído a primeira parte desse projeto, minhas impressões sobre a monotipia, cujo resultado eu partilho abaixo. 


            A monotipia é considerada uma técnica simples da gravura, consistindo na pintura de uma imagem sobre uma superfície plana (ferro, metal, vidro, madeira etc.), seguida de sua impressão em uma folha de papel. É tão simples que costuma ser usada em escolas com crianças bem pequenas. Porém tamanha simplicidade nos remete a reflexões bastante profundas revelando complexidades que nos escapam em uma observação superficial. Compartilho da opinião de Oscar Wilde* quando disse: Adoro as coisas simples. Elas são o último refúgio de um espírito complexo.

Se formos pensar na complexidade de nossos pensamentos e ações, não pensamos, escapamos. É nesta fuga que as imagens nos inundam, vindas de um inconsciente reprimido e sombrio. Elas vêm em sonhos, pinturas, desenhos, colagens, modelagens, poesias e onde mais permitirmos. São estranhas, incompreensíveis, enigmáticas e muitas vezes tão bonitinhas que nos permitimos enganar com sua beleza, fofura e graça. Desviamos o olhar daquilo que é potente, da mensagem oculta por onde deveria ir o pensamento. Simplificamos! E ainda completamos com frases como: Tá tão bonitinho...; Ihhh tá horrível...; Não sei fazer isso...; Credo que horror...; Adorei...; Amei...; Não entendi nada...; Que doideira... Depois simplesmente jogamos fora, guardamos na gaveta, enfiamos embaixo do tapete, ou deixamos esquecido em qualquer canto escuro e profundo. Ahhhhhh, respiramos aliviados! Pronto, resolvido! Será?

Andei pensando num remédio para isso, um remédio bem simples para cuidar das coisas que insistimos em simplificar. Algo parecido com o princípio da homeopatia: semelhante cura semelhante. O remédio chama MONOTIPIA, aquela mesma que expliquei ali em cima, lembra? Simples, tão simples, que até criancinha faz (sem desmerecer as crianças, por favor)!  A cura? Esta acontece quando compreendemos a frase de Oscar Wilde, ou quando uma pulga atrás da orelha nos faz levantar o tapete e ver quanta coisa tem ali debaixo. Na realidade, vamos levantar a folha de papel (e não o tapete) para ver o que aparece! Explicarei melhor na receita do bendito remédio que coloco a seguir.             

Passo a passo para fazer uma monotipia:

1- pegue uma superfície plana (ferro, metal, vidro, madeira etc.) menor ou igual ao tamanho de uma folha qualquer de papel (de preferência com maior gramatura);
2- faça uma pintura sobre ela com guache ou outra tinta que disponha;
3- pegue a folha de papel e coloque delicadamente sobre a pintura;
4- passe a mão por cima de toda a folha, fazendo certa pressão para absorver a tinta e a pintura que você fez;
5- retire delicadamente a folha, puxando por um dos cantos;
6- observe a imagem que ficou impressa na folha; 
7 - observe como ficou a pintura original sobre a superfície que pintou. Se desejar continue imprimindo outras folhas, quantas quiser ou até não sair mais tinta nenhuma. Estas impressões são chamadas de fantasmas (você vai descobrir por que).
Simples, não?

Um detalhe é muito importante nas monotipias: você pode se automedicar à vontade e sem efeitos colaterais, mas nada disso vai funcionar se a base do processo não for um caminho focado no autoconhecimento e conduzido por um bom arteterapeuta ou psicoterapeuta que utilize as linguagens artísticas em seus atendimentos. O mínimo que pode acontecer é você se divertir bastante, mas também pode se chatear se não gostar de surpresas, pois elas acontecem em monotipia. O máximo e o desejável de acontecer é descobrir um atalho para o refúgio das complexidades, parafraseando Oscar Wilde. É pegar o ego no pulo!

Por coincidência (sincronicidade, como diria nosso caro Jung) o item sete do passo a passo que criei acima é justamente a etapa que revela os fantasmas! Incrível, não? Lembrem-se que o sete é considerado um número sagrado, místico e mágico. Mas não tem magia nem sobrenaturalidades, são vestígios, pistas. Cá para nós, acho que tem muita alquimia, mas isso já é outro papo.

 O que de fato acontece no item sete da monotipia é que as imagens impressas são fantasmas ou vestígios da pintura original. A cada nova impressão os vestígios ficam mais tênues, os excessos vão sumindo e revelando aquilo que é simples e que ficou perdido em nossa complexidade. Ou então, revelando nossa complexidade de forma muito simples.

É simples, porém complexo ao mesmo tempo. Tentarei elucidar alguns aspectos desse processo.

Inicialmente gostaria de esclarecer que o termo monotipia sugere apenas uma impressão (do grego: monos – um e typos – impressão). Mas não precisamos ficar limitados à nomenclatura, podemos chamar os fantasmas para ajudarem a clarear a situação e limpar os excessos.  Edgar Degas (1834-1917) fez belíssimas obras a partir de fantasmas, só para citar um exemplo na história da arte.


Em se tratando de processo terapêutico, a primeira impressão da monotipia já é bastante reveladora. Em primeiro lugar porque ela traz a imagem invertida da pintura feita, como num espelho. O que se pintou sobre a placa se mostra diferente ao levantarmos a folha, está ao contrário e causa surpresa, às vezes até estranheza. As nossas verdades absolutas nos pregam uma peça, percebemos a realidade por outro viés, enxergamos por outro ângulo forçosamente, pois o que fizemos originalmente não é o que se revela para nós. Temos a possibilidade de ver o outro lado da moeda, analisar de outra forma o que foi feito. Será que o que fazemos tem apenas uma versão, será que podemos pensar e ver nossos gestos e atitudes de outra maneira? É bastante interessante sugerir a monotipia para pessoas que não conseguem perceber situações de forma clara, para as que estão habituadas a agir sempre da mesma forma com padrões fixos e enrijecidos, ou para os perfeccionistas. Mas também funciona em outras situações, pois é uma oportunidade de avaliar e ver uma nova perspectiva, de criar novas formas de atuação a partir de um olhar diferente ou invertido sobre o que se faz, de criar novos caminhos e soluções, de descobrir que pode haver uma forma mais interessante de pensar. Também podemos nos questionar quanto à nossa impressão sobre nossas atitudes e como na verdade elas se mostram na impressão feita sobre a folha. O que fazemos? Como se revela? Como impressionamos, ou como nos deixamos impressionar, também são reflexões possíveis e cabíveis na monotipia.
As demais impressões ou os fantasmas são depurações. A imagem vai sumindo até desaparecer completamente, se prosseguirmos com o processo. Vamos retirando matéria, camadas de ilusão que construímos ao longo da vida, vamos clareando e simplificando as situações.  Às vezes basta um fantasma para dar conta do recado, outras vezes pode-se precisar de mais alguns. Não tem receita de bolo, depende de cada caso. 
Eventualmente o impacto das impressões pode ser grande e é sempre prudente oferecer outros materiais como lápis de cor, pastéis ou canetinhas para aplicar sobre a monotipia seca. É um momento importante de resgates e constatações, de corrigir falhas, de dar novas cores e formas ao que se revelou.
O gesto ao pintar e imprimir é bastante simbólico e denuncia comportamentos rotineiros nas mais variadas situações. Podemos colocar muita ou pouca tinta, movimentar o pincel de forma ampla ou restrita, pressionar delicadamente o papel ou colocar todo o peso do corpo sobre ele. A tinta pode escorrer e extravasar pelas bordas do papel, pode ser suficiente ou insuficiente. Podemos nos decepcionar, surpreender, encantar, questionar...Cada gesto gera um resultado e cada um revela um modo de ser. Quanta riqueza de detalhes, quanta subjetividade e informação gravadas numa folha de papel com uma técnica tão simples.
Enfim, adoro as coisas simples. Elas são o último refúgio de um espírito complexo! Gratidão Oscar Wilde, por inspirar-me nessas reflexões sobre a monotipia, a vida e a arte e, constatar que a simplicidade da vida e da arte pode nos conduzir à descoberta de nós mesmos, e ao mesmo tempo abrigar nossa complexidade e multiplicidade.
                                                                                                                                  
 * Oscar Wilde (1854-1900) foi um influente escritor, poeta e dramaturgo britânico.
Referencias Bibliográficas:
ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
ARIEIRA, Gloria. O yoga que conduz à plenitude. Rio de Janeiro: Sextante, 2017.
EDINGER, Edward. Anatomia da Psique: o simbolismo alquímico na psicoterapia. São Paulo: Cultrix, 2006.
OSTROWER, Fayga. Universos da Arte. Rio de Janeiro: Editora Campus Ltda., 1984.
Shrimpton, R. H. Monotipia: Uma investigação Técnica e Artística. Algarve, 2012. Dissertação (Mestrado em Comunicação, Cultura e Artes) - Universidade do Algarve,129 págs. Disponível em:https://sapientia.ualg.pt/bitstream/10400.1/3522/1/Monotipia170513.pdf
VON FRANZ, Marie-Louise. Alquimia- Introdução ao simbolismo e à psicologia. São Paulo: Cultrix, 1980.
Weiss, L. (2003). Monotipias, algumas considerações.  Cadernos de [gravura], Campinas nº 2, p. 19-27,Nov.2003. Disponível em: https://www.iar.unicamp.br/cpgravura/cadernosdegravura/downloads/p2_GRAVURA_2_nov_2003.pdf                                                          
_________________________________________________________________________

Sobre a autora: Liane Esteves


Arteterapeuta e Arte-educadora, especialista em História da Arte e pós graduanda em Psicologia Junguiana.
Faz  atendimentos individuais e facilita oficinas e vivências em Arteterapia.
Leciona Artes Visuais na rede pública de ensino do Rio de Janeiro.
Tem interesse em Arte, Psicologia, Yoga, Vedanta, Espiritualidade, Sustentabilidade, Cinema, Dança e Paisagismo.
Acredita na Harmonia, Amor e Respeito entre os Seres.


Nenhum comentário:

Postar um comentário