segunda-feira, 20 de maio de 2024

A TERAPIA PELA ARTE E OS 5 ELEMENTOS/MOVIMENTOS

 


Por Luiz Maia

@gonzagamaia

"Se você não mudar de direção, terminará exatamente onde partiu"

Provérbio chinês

 

 

A expressão humana marcou e continua atuando sobre os períodos na história da sociedade. A arte permite exteriorizar sentimentos ou ideias que trazem um tipo de suporte para a vida, mostrando caminhos e possibilidades, que precisamos tomar no momento em que nós deparamos com uma construção artística, seja ela feita no setting arteterapêutico, palco, museu, galeria …

O jogo que a produção artística causa no participante ou no próprio artista criador é um fenômeno, uma espécie de constelação que rege e movimenta muitas vezes além da nossa consciência. As reações e reflexões experimentadas nas sessões de arteterapia ajudam a iluminar este caminho na busca do Self. O mistério do universo está também dentro de nós e da arte. Essa magia transitiva do seu impacto no cotidiano pode cooperar para uma maior qualidade de vida.  

Estudo os fundamentos da medicina chinesa há  oito anos e sua relação com os 5 Elementos/Movimentos em nosso dia a dia. A partir de reflexões práticas, podemos equilibrar esses elementos também no setting arteterapêutico, pois não somos um elemento, estamos em um elemento! 

Os 5 Elementos/Movimentos representam bem essa ideia de integração como no processo da individuação. A psique dos 5 Elementos segundo o taoísmo, trata principalmente da força e da energia de todas as formas manifestadas no mundo observável. Cada movimento forma a representação da nossa consciência, e os 5 movimentos significam 5 possibilidades de ruptura da consciência, que levam, assim, ao processo de adoecimento ou de cura. 

Todas as coisas tem dois lados - todo ser vivo é constituído de forças polarizadas: céu e terra, em cima e embaixo, fora e dentro, dia e noite…Os opostos que nos rodeiam, e que também estão dentro de nós, marcam nossa vida do primeiro ao último dia na Terra. 

A palavra chinesa Qi pode ser relacionada com nossa ideia moderna de energia, representa a força criadora, a força vital, que existe como centelha carregada de energia, no encontro das forças polarizadas Yin e Yang. As energias opostas de tudo o que vive. O Qi mantém o Universo em movimento, faz os elementos dançarem uns com os outros e flui pelo nosso corpo. Está presente em toda experiência, em todas as funções da vida. Jung categorizou as fases de desenvolvimento como Infância, Juventude, Meia-idade e Velhice. 

Paralelamente podemos fazer uma relação aos 5 Elementos/Movimentos como infância/madeira, juventude/fogo, meia-idade/metal, velhice/água e as transições entre esses estágios seria o elemento terra. Assim, dentro dessa abordagem o modelo dos 5 elementos relaciona os âmbitos do “ser” aos elementos. Órgãos do corpo e os sentidos, sabores, estações do ano, condições climáticas, pontos cardeais, cores, formas, sentimentos, comportamentos; e aqui faço um paralelo com as modalidades expressivas e suas relações com os cada um dos cinco elementos. 

Segundo Philippini (2008, p.18) “ Os pontos cardeais que norteiam a caminhada por estas regiões psíquicas profundas e singulares estão registrados na tipologia junguiana. Nesta referência teórica identificam-se quatro funções psíquicas básicas: pensamento, sentimento, sensação e intuição. [...] Neste enfoque, o arteterapeuta, através da observação e dados de anamnese, poderá empregar determinadas modalidades expressivas que venham a estimular estas funções psíquicas menos desenvolvidas, iluminando aspectos sombrios da psique. Assim, estas modalidades expressivas são utilizadas com o propósito de revitalizar áreas desusadas, núcleos bloqueados, resgatando a possibilidade do livre fluir da energia psíquica.” 

            O arteterapeuta poderá através da observação determinar quais modalidades expressivas poderão contribuir para revitalizar áreas bloqueadas para que a energia psíquica e emocional do paciente volte a fluir livremente. A ideia principal desta prática é dar ao arteterapeuta um suporte na escolha da materialidade expressiva a ser usada no atendimento. Assim, ao paciente/cliente que está predominantemente dentro das funções psíquicas do elemento fogo, é indicado propor materialidades ligadas ao elemento água, criando um equilíbrio entre os opostos conforme o gráfico dos 5 Elementos apresentado. Essa abordagem está em andamento e construção baseada nas experimentações e observações na minha prática artística. 

Há alguns meses venho aplicando essa abordagem e colhendo bons resultados nas sessões com meus pacientes/clientes aqui pelo Não Palavra.

Gostaria de agradecer a oportunidade de compor este grupo tão rico onde cada terapeuta desenvolve seu estilo próprio dentro da arteterapia com muito estudo, liberdade, prática e supervisão - pilares fundamentais para um atendimento profissional de qualidade.

 

Referência bibliográfica: 

PHILIPPINI, Angela. Para entender arteterapia: cartografias da coragem. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2008.

 

 _________________________________________________________________________

Sobre o autor: Luiz Maia

 


Artista educador e terapeuta integrativo, atualmente reside em Rio das Ostras-RJ, formado em arteterapia pela Clínica Pomar, desenvolve projetos culturais e terapêuticos com adolescentes e adultos no município e em atendimentos individuais online.

segunda-feira, 13 de maio de 2024

CAFÉ COM ARTE – A ARTE DO ENCONTRO

 


Encontro na padaria

 

Por Claudia Maria Orfei Abe - São Paulo/SP

Instagram: @claudia_abe_

 

A vida é arte do encontro embora haja tanto desencontro pela vida.  (Música: Samba da Benção – Vinícius de Moraes)

 

Que tal um café na padoca*?

Sim, um café diferente.

Fiz uma proposta para uma amiga, ao nos despedirmos na calçada em frente a uma padaria.

Em um breve instante de nossa despedida, me veio uma ideia na cabeça: “O que você acha de fazermos uma série de encontros aqui na padaria e ao final de cada encontro produzir um desenho?”.

Proposta inusitada e aceita prontamente!

Após um período de reflexão e planejamento, com a inspiração de uma cena de um filme que assisti, surgiu o projeto “Café com Arte”. O filme em questão trazia uma cena de quatro amigas que se encontravam para um café e ao final do encontro cada uma criava um desenho, uma pintura. Pois é, neste momento não consigo me lembrar do nome do filme.

O projeto foi estruturado em oito encontros, um por mês, com duração máxima de uma hora e meia. 

Uma proposta estruturada se dá quando o arteterapeuta já conhece todo o conteúdo a ser trabalhado. Geralmente essa proposta funciona com encontros pontuais ou um ciclo breve. Em Arteterapia, uma modalidade muito presente em nosso repertório são as vivências ou oficinas, caracterizadas por um encontro temático ao qual o facilitador já possui a estrutura de seu começo, meio e fim. (MORAES, 2023)

 

Os materiais plásticos que seriam utilizados foram pensados para uma sequência lógica de materiais “rígidos”, passando por materiais mais “fluidos” – materiais intermediários ou de transição – de fácil transporte e sem causar estragos na mesa da padaria.

Durante o encontro, fazíamos a escolha entre cappuccinos, chocolates e sucos, afinal, alimentaram o corpo a cada encontro.

A conversa inicial durava cerca de uma hora, onde trazíamos assuntos que nos incomodavam, planejamentos de vida, relacionamentos, entre tantos outros temas.

Meia hora final era reservada para a nossa produção plástica, ou seja, o desenho e sua coloração, a escrita criativa e o compartilhamento. Tal e qual um encontro arteterapêutico, porém em um local mais descontraído. 

Uma imagem projetada no papel ou em uma escultura, ou em um movimento do corpo, reflete a maneira pessoal de cada um relacionar-se, posicionar-se, de estar no mundo. (URRUTIGARAY, 2011) 

Fui percebendo que nossas despedidas a cada encontro, estavam acontecendo de uma forma mais leve e alegre.

Como suporte, utilizamos folhas de sulfite brancas com um círculo desenhado à lápis ao lado esquerdo, deixando um espaço para escrita criativa ao lado direito da folha.

Alguns materiais de apoio, caso fossem necessários, também foram disponibilizados: lápis preto, cotonetes, lenços umedecidos.

Em ordem sequencial, os materiais propostos foram os seguintes: lápis de cor duro, lápis de cor aquarelável, carvão em bastão, giz pastel seco, giz de cera, giz pastel oleoso, canetinhas hidrográficas e water brush** com tinta. 

Os materiais utilizados na técnica de desenho, como o lápis de grafita, com sua variedade de grau de dureza, os lápis de cor, o lápis de cor aquarelável, os lápis de cera, o lápis ou bastão de carvão, o bastão de pastel seco e a óleo, a canetinha hidrocor são instrumentos de elevada importância expressiva e gráfica. (CARRANO E REQUIÃO, 2013)

 

Por questões de sigilo de nossos conteúdos trabalhados a cada encontro, colocarei aqui a título de ilustração, apenas duas fotos das produções plásticas. 





O contato direto com os materiais de arte vai permitir a materialidade de formas, cores e linhas constituindo a formação do símbolo. É importante perceber como a mobilização de todos os nossos sentidos amplia a percepção visual, despertando o criativo em nosso ser. Na medida em que o ser humano percebe o mundo através do olhar da arte, ele se torna mais inteiro, mais criativo. Encanta-se com as cores e formas da natureza, sentindo prazer em pertencer a este mundo. (CARRANO E REQUIÃO, 2013)

 

CONSIDERAÇÕES

Ao lerem esse texto, muitos arteterapeutas poderão se perguntar: “Como assim, encontros arteterapêuticos numa padaria? Como fica a questão do setting arteterapêutico ?

Eu mesma me indaguei sobre esta questão, ao procurar a definição de setting, em um dos livros de arteterapia: 

...precisamos entender que a arte acessa o imaginário e o simbólico e que o “setting terapêutico” é o espaço que viabiliza o local para a criação e a expansão das potencialidades adormecidas, desenvolvendo sentimentos para com questões antes inconscientes, sendo, portanto, um lugar sagrado. (URRUTIGARAY, 2011) 

Então, deixo aqui um momento de reflexão para os profissionais arteterapeutas: qual o seu entendimento sobre o setting arteterapêutico? Seria uma sala de atendimento composta de mesa e cadeiras, com poucos estímulos visuais ao redor; um ateliê de arte que traga muitas possibilidades e um convite à criatividade; um lugar aberto em meio à natureza, com sons de pássaros e folhas ao vento?

O fato de o espaço escolhido ter sido uma padaria, com todos os ruídos e estímulos locais, e a presença de tantos clientes ocupando e circulando pelo espaço, não interferiram de maneira alguma durante todo o processo.

Da mesma forma que percorremos o processo com os materiais plásticos numa sequência que sugeria partir do rígido para o flexível, tivemos também a percepção do nosso caminhar. Nosso olhar perante o mundo pode ter sido ampliado e modificado, nossos padrões internos podem ter descoberto a possibilidade da flexibilidade, a nossa percepção de caminhos difíceis, árduos, e por vezes complicados, puderam se transformar em caminhos mais leves acompanhados de alegria.

Nossa própria rigidez precisou ser trabalhada, nos momentos em que foram necessárias alterações de datas de encontros, devido festas de final de ano, emergências com entes queridos etc., o que causou alteração no cronograma e na previsão do término do projeto.

Enfim, foi uma experiência muito interessante e criativa em concordância mútua.

Fica aqui uma dica para arteterapeutas: convide alguém para um café diferente e use seu conhecimento arteterapêutico para uma experiência incrível! E depois, me conte como foi.

 

Nota 1: padoca* – nos referimos à padaria assim, aqui em São Paulo.

Nota 2: water brush** – um tipo de pincel.

Nota 3: a participante fez a revisão deste texto e autorizou sua publicação, inclusive da foto de seu trabalho.

 

Bibliografia:

CARRANO, Eveline e REQUIÃO, Maria Helena – Materiais de arte: sua linguagem subjetiva para o trabalho terapêutico e pedagógico. – Rio de Janeiro: Wak Editora, 2013.

URRUTIGARAY, Maria Cristina. Arteterapia: a transformação pessoal pelas imagens. 5ª. Ed. Rio de Janeiro: Wak,2011.

Internet:

https://nao-palavra.blogspot.com/2023/11/ Acessada em 26/03/2024. Práticas Arteterapêuticas e suas Diversas Modalidades – MORAES, Eliana.

 

Se você quiser ler meus textos anteriores neste blog, são eles:

21- Vivência: Uma Experiência de Encantamento – 06/11/2023

20- O Uso do Giz Pastel Seco na Art Nouveau de Mucha – 26/09/22

19- Tô Vivo! – 22/08/22

18- A Massa Caseira como Recurso Arteterapêutico – 18/07/22

17- As Bailarinas de Degas – 16/05/22

16- Degas e as Mulheres – 21/03/22

15- Ah, o Tempo... – 14/02/22

14- As Cores em Marilyn Monroe – 13/12/21

13- Um Desafio – 11/10/21

12- O Branco no Branco – 23/08/21

11- Tudo Começa em Pizza – 28/06/21

10- Um Material Inusitado – O Carimbo de Placenta – 10/05/21

9- As Vistas do Monte Fuji – 22/03/21

8- É Pitanga! – 07/12/20

7- O que é que a Baiana tem? – 26/10/20

6- Escrita prá lá de criativa – 27/09/20

5- Fazer o Máximo com o Mínimo – 01/06/20

4- Tempo de Corona Vírus, Tempo de se reinventar – 13/04/20

3- Minha Origem: Itália e Japão – 17/02/20

2- Salvador Dalí e “As Minhas Gavetas Internas” – 11/11/19

1- “’O olhar que não se perdeu’: diálogos arteterapêuticos entre pai e filha” – 19/08/19

_____________________________________________________________

Sobre a autora: Claudia Maria Orfei Abe


 
 

Arteterapeuta e Farmacêutica-Bioquímica

Esta sou eu, apenas uma pessoa querendo ajudar pessoas a transformarem suas próprias vidas, fã de Salvador Dalí e agora aprendendo a dançar com as castanholas. Olé !!

segunda-feira, 6 de maio de 2024

DIÁLOGO DO BARRO COM O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: RELATO DE EXPERIÊNCIA



Por Lucia Palermo - RJ

llpalermo5@gmail.com


INTRODUÇÃO

Meu Interesse pela cerâmica na Fundação Mokiti Okada, no Rio de Janeiro, há alguns anos, começou quando eu ainda não era da área de educação. Não só a trajetória de vida, mas também a formação acadêmica levaram-me a praticar e entender a Arte Cerâmica como um elemento que, num processo intencional de significação, contribuiria para o crescimento do ser humano de forma inter e intrapessoal. E foi a partir dos Projetos de Pesquisa da Pós-graduação em Arteterapia, que coloquei em prática aquilo em que eu acreditava. 


A partir do desenvolvimento do Projeto Caminhos Facilitadores, é possível descrever a proposta consciente de um paradigma não linear permeando o objetivo de uma visão pedagógico da matéria prima barro/argila, como uma ferramenta de auxílio na alfabetização de crianças  e adolescentes cegos e baixa visão, do Instituto Benjamin Constant - IBC, o qual é um Centro de Referência, a nível nacional para questões da deficiência visual. O IBC tem uma     Estrutura Regimentar, integra vários Departamentos e Atividades.


O Deficiente Visual, seja cego ou com baixa visão, tem com todos os recursos possíveis, pouco acesso às informações visuais e, portanto, sua necessidade educacional especial é ter disponível outras fontes adaptadas de informação para que o conteúdo acessível a ele seja o mesmo daqueles que enxergam (NUNES; SAIA; TAVARES, 2014)


A Oficina Inclusiva de Cerâmica com Fins Pedagógicos, que é parte integrante do Projeto Caminhos Facilitadores, procurou desenvolver ao longo do processo, como a Arte e a Arteterapia poderiam contribuir, para minimizar e/ou facilitar a dificuldade da leitura e da escrita dos alunos Deficiente Visuais do IBC, com vivências da linguagem visual e tátil. E assim, foram desenvolvidas com os alunos, adaptações curriculares, que são estratégias que favorecem o desenvolvimento do estudante no contexto de sua escola, considerando suas individualidades, através do princípio de atenção à diversidade, pois nesse aspecto centrado na aprendizagem, a informação é arquitetada e reconstruída continuamente (JOSÉ E COELHO, 1989. In CARLOU, 2018).


Quando existe uma falha no ato de aprender, segundo Ciasca, 2004, esta exige uma modificação dos padrões aquisição, assimilação e transformação, seja por vias internas ou externa do indivíduo (NERES; CORRÊA, 1992-2017).

 

“A matéria-prima formada pela energia psíquica antes difusa e fugidia ganha um continente. Assim, à etapa de dar forma, segue-se a possibilidade de In-Formar, cumprindo-se a função transcendente. A forma permite que surja a compreensão, a codificação e a atribuição gradual de significado pela consciência. O deslocamento seguinte é que, da informação, surge a possibilidade de transformação, ou seja, a ‘ação de atravessar a forma’ e já está pronto para um novo estágio de funcionamento, comunicação e expressão.” (Philippni, 2008, pg. 51).

Ao atravessar as transformações, o homem se configura, se recria.

DESENVOLVIMENTO      



                                                                                                 

 

Crianças com dificuldade de aprendizagem não apresentam distúrbios neurobiológicos, isto quer dizer que os problemas apresentados têm caráter provisório e suas causas     podem ser localizadas em diferentes dimensões do processo de aprendizagem do indivíduo. Consideramos que, estas dimensões são: a) social; b) pedagógica; c) psico-afetiva; d) psico-cognitiva; e) orgânica (WEISS & CRUZ, 2011).

 

No início do Projeto, ainda explorando o espaço físico, foi observado, que os alunos cegos da Oficina Inclusiva de Cerâmica com Fins Pedagógicos, não tinham uma noção adequada dos conceitos espaciais e por isso, para que se locomovessem de forma mais independente no ambiente da sala, iniciamos a prática oral e tátil, conscientizando-os da localização da posição do mobiliário já existente na sala, onde estavam os materiais a serem utilizados por eles, o local onde os aventais se encontravam pendurados, onde se colocavam as mochilas, localização da pia e de como encontrar a bica através do tato, ou seja, fazendo o reconhecimento de todo o ambiente, pois como afirma Gil (org. N1/2000), os recursos fundamentais de que dispõe para ajudar a integrar as informações recolhidas no ambiente, é a percepção tátil e a sonora, além da afetividade.


Com o passar do tempo, de forma gradativa e respeitando o tempo de cada aluno, fomos observando o que poderia estimular ainda mais a capacidade de cada um. Fui observando que preferiam o tom de voz baixo e a forma exploratória tátil e individualizada para todas as orientações prévias necessárias ao desenvolvimento das atividades artísticas/pedagógicas.

                                   

A interação propiciada pelas temáticas sugeridas muitas vezes por eles mesmos, tendo como ponto de partida a vida social e cultural da História da Cerâmica e a da Cerâmica Marajoara e sua Geometrização, contada de forma contextualizada e com interação, enriquecia a busca do processo de aprendizagem e o desejo deles construírem suas obras/cerâmica. Eles respondiam não só concretamente, mas também cognitivamente. Era maravilhoso. Quando percebemos que já se fazia presente a evolução da aprendizagem dos alunos, resolvi (como proponente do projeto e docente da Oficina Inclusiva) continuar a desenvolver o projeto por mais um ano, logicamente  após ter conversado e acordado com a Chefe da Divisão de  Ensino/IBC.


Segundo Assman (2004), o Tempo Pedagógico é o tempo dedicado a produzir vivências do prazer de estar aprendendo. O tempo da escola só se transforma em tempo pedagógico quando seu transcurso cria um espaço e um clima organizativo propício às


experiências de aprendizagem e como afirma Gil (org. N1/2000), o aprendizado da leitura e da escrita em Braille requer um elevado desenvolvimento das habilidades motoras finas, além da flexibilidade nos punhos e agilidade nos dedos.




 

A linguagem visual/tátil da geometrização da Cerâmica Marajoara, como proposta para o desenvolvimento do processo de alfabetização, através da argila como recurso tátil, teve subjacente o desenvolvimento psicomotor; o desenvolvimento das habilidades básicas necessárias ao preparo da leitura e da escrita como diz José e Coelho (1989); o desenvolvimento de uma diversidade de noções conceituais de forma concreta, como afirma Nascimento (1997), empregadas no processo inicial da alfabetização permitindo uma compreensão mais fácil e o uso flexível de conceitos; o desenvolvimento da percepção tátil.

 

Constatei através do diálogo com os alunos, com observação constante e com as informações passadas pelos seus responsáveis, que as limitações não eram apenas da falta da visão e da parte motora. E foi permeando as experiências sensoriais, perceptivas e reflexivas nas construções concretas, de forma individual e em grupo, inicialmente através da argila e posteriormente de outros recursos materiais que iniciei o caminho para minimizar também as outras limitações.

Iniciamos com a exploração das mãos como identificação de si próprio, que como afirma Ostrower (2002), a percepção de si mesmo dentro do agir é um aspecto relevante que distingue a criatividade humana. [...] o ato intencional pressupõe existir uma mobilização interior, não necessariamente consciente, que é orientada para determinada finalidade antes mesmo de existir a situação concreta para a qual a ação seja solicitada.

Alguns alunos apresentavam algumas dificuldades por não terem podido ser estimulados quando ainda menores, então a partir do vínculo afetivo, foi promovido a re-significação do desenvolvimento das sensações tátil-cinestésicas. E foi de forma gradativa e em vários momentos, que cada elemento da natureza ou material diferenciado proposto para as atividades, foram explorados de forma tátil (cegos) e visual (ampliados através da lente de aumento para o aluno baixa visão).

 

Após estes momentos de sensações e de identidades, durante o processo de ensino aprendizagem, de forma oral e dentro da fase de entendimento de cada um, foi feita uma analogia das silhuetas das mãos dos alunos com a  Arte Rupestres da Pré-História procurando passar para eles, que significava uma forma de expressão e interação entre o homem e a natureza, transformando-a e transformando-se. Faziam muitas perguntas. Mostravam-se interessados e queriam tatear as paredes para sentirem como era. De acordo com PHILIPPINI (2008), [...] neste universo de mãos e materialidade construímos nossa autonomia expressiva e ativamos nosso processo criativo, deste modo, estas mãos são instrumentos potenciais de germinação e construção. Também, afirmam JOSÉ e COELHO (1989), que o preparo para iniciar a leitura e a escrita (alfabetização) depende de uma complexa integração dos processos neurológicos e de uma harmoniosa evolução de habilidades básicas. Assim, sendo o esquema corporal uma das várias habilidades básicas, e que implica o conhecimento do próprio corpo, de suas partes, dos movimentos, das posturas e das atitudes, deve ser estimulado. Continua afirmando, que a criança que não consegue desenvolver bem o seu esquema corporal pode ter sérios problemas em orientação espacial e temporal, no equilíbrio e na postura; dificuldade de se locomover num espaço [...]. 

 

E foi a partir dessa conscientização de suas identidades e do valor que cada uma das mãos representava, que começamos um caminho constante, gradativo e agradável do ensino aprendizagem dos elementos básicos que permitissem apreender as noções básicas de geometria, exercícios psicomotores, técnicas básicas da modelagem da argila, e [...] outras estratégias de ensino flexível e diferenciadas de modo a proporcionarem experiências de aprendizagem adequadas e desafiantes [...] (CARLOU, 2018),  resultando mais tarde na evolução dos alunos, propiciando a aprendizagem.


 

CONSIDERAÇÕES  FINAIS

 

Entendendo, que uma aprendizagem se faz necessária e que através de materiais expressivos, tendo a Arte Terapia dialogando com o desenvolvimento dos conceitos básicos necessários à alfabetização, com a articulação dos conceitos da metodológica trazida por Ana Mae Barbosa: fazer artístico, apreciação/tátil significativa e construção do conhecimento, aliado à afirmação de que os alunos com Deficiência Visual, utilizando estratégias pedagógicas adaptadas e dando ênfase às suas potencialidades e não às dificuldades, os alunos, conseguiram no final do projeto, alcançar uma harmoniosa evolução da leitura e da escrita, em Braile e em Tinta. O Projeto contou com uma equipe multidisciplinar da área de saúde, com a colaboração da Supervisão de Ensino – DEN do IBC, das estagiárias do Curso de Pedagogia da Universidade Veiga de Almeida-UVA/RJ, de voluntárias.



 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

ASSMAN, Hugo. Reencantar a Educação. Ed. Vozes, 2004.

BARBOSA, Ana Mae. Inquietações e Mudanças no Ensino da Arte. São Paulo: Coprtez, 2002.

CARLOU, Amanda. Estratégias Pedagógicas para Ensino-Aprendizagem de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais. Revista Espaço Acadêmico –n.205-Junho/2018- mensal – ANO XVII.

CIASCA, Sylvia Maria. Dificuldade de Aprendizagem: compreender para melhor educar. Simpro, Ano5 - nº 6 – Maio, Rio, Rio de Janeiro: 2004

GIL, Marta (org). Deficiência Visual. Caderno da TV Escolaa.Brasília: Mec. Secretaria de Educação a Distância, N1/2000. 80.:Il (Cadernos da TV Escola.1.ISSN 1518-4692)

JOSÉ, Elizabete da Assunção; COELHO, Maria Teresa, ET al. Problemas de Aprendizagem. São Paulo: Ática, 1989.

NASCIMENTO, Regina Maria do, ET al. Arteterapia Revista Imagens da Transformação. R.J.: Clínica Pomar, 1997. Vol.4/6.

 NERES, Celi Corrêa; CORRÊA, Nesdete Mesquita. Análise dos Artigos na área da Deficiência Visual Publicados na Revista Brasileira de Educação Especial (1992-2017).

NUNES, Sylvia da Silveira; SAIA, Ana Lucia; TAVARES, Rosana Elizete. Artigo Educação Inclusiva: Entre a História, OS Preconceitos, a Escola e a Família. Universidade Federal de Alfenas; Universidade Federal de Itajubá, 2014.

PHILIPPINI, Ângela. Imagens da Transformação. Revista de Arteterapia. Agosto/1996-N.3-Vol.3

PHILIPPINI, Angela. Para entender Arteterapia: cartografias da coragem. 4 ed. – Rio de Janeiro: Wak: Ed., 2008.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. 16ª ed. Petrópolis:Vozes, 2002.


____________________________________________________________________________


Sobre a autora: Luigina Lucia Palermo Antas




 

Formação:

Arteterapeuta AARJ 672/0515

Graduação em Pedagogia/ Licenciatura Plena

Graduação em Educação Artística - Artes Visuais

Pós graduada em Arteterapia em Educação e Saúde

Pós graduada em Psicopedagogia

Formação Clínica em Arteterapia  na Clínica POMAR

 

Área de atuação/projetos/trabalho:

Professora de Artes Plásticas no Município do Rio de Janeiro, no âmbito da Secretaria Municipal de Educação. Servidora Pública Ativa na Escola Municipal Vital Brasil/ RJ e na Escola Municipal Albert Schwheitzer/RJ.

 

Proponente, coordenadora e docente do Projeto Caminhos Facilitadores do Desenvolvimento Humano – Publicado no site Instituto  Arte na Escola em Relato de Experiencia; Publicado no Caderno de Resumo dos Anais do CEDERJ , após conclusão do Curso de Aperfeiçoamento em Educação Especial e Inclusiva para Professores de Educação Básica/Fundação CECIERJ.

 

Projeto  “Todos Somos: Arte e Cultura Africana” – Certificado como Semifinalista no XIX Prêmio Arte na Escola Cidadã/São Paulo

segunda-feira, 29 de abril de 2024

A IMPORTÂNCIA DAS HISTÓRIAS NO PROCESSO ARTETERAPÊUTICO

 


Por Elaine Cristina Tomaz - Ribeirão Preto/SP

@tessera.arteeterapia 

Era uma vez... Tantas ocasiões ao longo da vida escutamos esta expressão, ou ainda alguém que nos diz: “vou te contar uma história”. 

Desde crianças bem pequenas, ouvimos histórias de nossa família, dos livros preferidos, com professores, os amigos da escola e, quando mais velhos, as narrativas que nós escolhemos. 

As histórias capturam pessoas de várias idades, pois uma história bem contada tem o poder de acessar profundamente os pensamentos, emoções e experiências de uma pessoa – das mais difíceis, às mais felizes. 

No livro “Contos para Curar e Crescer”, Jean Monbourquette (Dufour, 2005) ressalta a afinidade incontestável que existe entre o psiquismo humano e a arte de se exprimir através de histórias. E ainda questiona: “não é verdade que quando dormimos, nosso inconsciente se delicia em contar histórias sob a forma de sonhos? Sabemos muito bem que retemos melhor o conhecimento e os princípios da sabedoria humana quando são transmitidos nos enredos das histórias”. 

Neste sentido, Giordano (2007) enfatiza:

 

O Era uma vez...é o lugar onde mora o reino das possibilidades, e o lugar onde não há tempo nem espaço, é aquele lugar onde as pessoas dizem: saí daqui e durante o conto estava lá! Mas lá onde? No Era uma vez..., as personagens do conto te guiam para dentro de você mesmo rumo às suas próprias possibilidades. Esse lugar é onde se compartilha sentimentos de pertencimento com todos os humanos. 

As narrativas são repertórios de alegria, reflexão, criatividade, heroísmo, imaginação e acionam em nós sensações de acolhimento, identificação, encantamento, inspiração e incentivo. Historias também podem enriquecer nosso vocabulário, nos estimulando a falas mais assertivas e aumentando as habilidades de escuta o que, consequentemente, gera uma comunicação melhor. 

No setting Arteterapêutico, contar histórias é um recurso valiosíssimo, que beneficia todas as idades – da criança ao idoso, passando pelos adolescentes e adultos. 

As histórias são ferramentas para despertar imagens, acionar memórias guardadas, mergulhar em nosso psiquismo, desafiar nossas crenças cristalizadas e nos levar a considerar novos pontos de vista, nos dar voz e possibilidades para expressar em arte, aquilo que muitas vezes sentimos, pensamos, mas não temos como explicar, nos encoraja, provoca e podem ser base para processos terapêuticos valiosos, pois fazem o caminho do intelecto e da imaginação ao nosso coração e vice-versa, proporcionando uma organização interna e outro olhar, um novo significado às nossas próprias histórias de vida. 

Diante disso, Philippini (2013), ressalta que:

 

As estruturas simbólicas destes relatos expressam fenômenos universais por serem oriundas do inconsciente coletivo. São desdobramentos da memória humana ancestral e estuda-lás vai facilitar nossa compreensão do psiquismo humano em sua trajetória de aperfeiçoamento e individuação. 

A autora (2013) nos lembra ainda que estas estruturas reaparecem de forma similar, reapresentadas nas tramas contemporâneas de todos nós e, desta forma, sugere aos profissionais da Arteterapia “aprofundar-se no fantástico universo dos mitos, contos de fada, fábulas, contos de ensinamento”. 

Como Arteterapeutas, é importante procurarmos narrativas que tenham relação com o processo do cliente, estudar, observar, buscar, intuir, temas que possam despertar, acolher, encantar, proporcionar reflexões e oferecer estímulos de forma que o paciente entre em contato com seus questionamentos, dores, potenciais, inquietações e sonhos e, também para que possa expressar artisticamente o que sente, pensa e deseja. 

E muito além de uma moral da história e/ou um ensinamento, no processo arteterapêutico precisamos estar abertos ao que faz sentido ao paciente e a sua história de vida. Fazer questionamentos e oportunizar análises e considerações a partir de estímulos diversos de acordo com a idade do paciente, por exemplo: que parte da história mais o tocou e porquê; que frase ele destacaria para expressar em arte; que lembrança a história traz, o que o personagem principal tem a ver com ele; que personagem da história ele seria e porquê, que desenho faria para ilustrar a história; o que a história fala sobre o seu momento de vida; o que ele mudaria na história e porquê, o que mais gostou o que não gostou, como narraria aquela história; fazer associações livres e tantas outras possibilidades. 

E quais histórias contar? As clássicas, os livros de literatura infantil, mitos, contos de fadas, lendas, parábolas, fábulas e mil e uma histórias que falam do humano em nós. São instrumentos que podem ressignificar sentidos e promover o autoconhecimento, o crescimento, a cura, a saúde mental. 

Arteterapeuta AATESP 336/0616

 

Referências: 

Dufour, Michel. Contos para Curar e Crescer. (Trad.Alice Mesquita).São Paulo: Ground, 2005. 

Giordano, Alessandra. Contar histórias: um recurso arteterapêutico de transformação e cura. São Paulo: Artes Médicas, 2007 

Philippini, Angela. Para entender Arteterapia: Cartografias da Coragem. Rio de Janeiro: Wak, 2013.

____________________________________________________________________________

Sobre a autora:  Elaine Cristina Tomaz



Graduada em Pedagogia pelo Centro Universitário Barão de Mauá, com Habilitação em Administração 

Escolar.

Especialista em Psicopedagogia Clinica e Institucional - Centro Universitário Barão de Mauá.

Formação em Educação em Valores Humanos (Básico) pelo Instituto Sathya Sai de Ribeirão Preto.

Especialista em Arte e Arteterapia aplicada à Educação, Saúde, Social e Organizações pelo 

NAPE – Nucleo de Arte e Educação/FAVI – Faculdade Vicentina – AATESP 335/0616.

Formação em Mandala Terapêutica pelo CEIMAS® (Centro Internacional de Mandala, Arte e Simbolismo) - SP 

Formação como Facilitadora SoulCollage® pelo SoulCollage® Brasil. 

Atuou como Gerente de Projetos e Coordenadora de Formação de Mediadores de Oficinas de Leitura e Escrita na Fundação Palavra Mágica em Ribeirão Preto/SP

Professora Alfabetizadora das Redes Estadual e Municipal de Ribeirão Preto/SP. 

Atendimento em Arteterapia, Mandalaterapia e SoulCollage® para  jovens e adultos, individual e grupos, presencial e online em clinica própria – Téssera Arte & Terapia

@tessera.arteeterapia