segunda-feira, 28 de março de 2016

Batman & Superman - O Arquétipo do Herói nas HQs.

O texto exposto hoje no Blog Não Palavra fará uma pequena saída de sua temática principal, a Arteterapia, convidando todos para a leitura de uma análise simbólica de uma das grandes histórias em quadrinhos da modernidade: Batman e Superman.
Pegando carona no lançamento do filme Batman X Superman, apresento a todos os interessados um recorte do meu trabalho de conclusão do curso de graduação em Psicologia, pela Universidade Santa Úrsula, apresentado em dezembro de 2007 sob orientação de Nelson Job, hoje pós doutorando pela UFRJ no HCTE.
Neste recorte coloco a importância de olhar e refletir analiticamente sobre as grandes histórias de massa, que diferentemente dos mitos gregos - base da análise junguiana do processo de individuação - são mais acessíveis a grande população e possuem os mesmos impactos que as histórias míticas cantadas por Homero.
Um texto mais longo, porém de igual importância e acréscimo aos interessados em estudar a mente humana e agregar diferentes possibilidades de atuação em sua prática clínica. Lembrando que a história em quadrinhos é uma excelente via de acesso numa intervenção psicológica com arteterapia, e acredito que a leitura deste texto possa agregar valor aos profissionais que atuem com crianças, adolescentes e jovens adultos.
As HQs trazem um conteúdo que atinge as massas, que atravessa gerações e continua lotando cinemas em todo o mundo requer no mínimo um olhar mais aguçado por aqueles que buscam nas entrelinhas o conhecimento do funcionamento da mente, e saber consequentemente, fazer as pontes com os conceitos que a psicologia nos fornece.


 

O principal fio condutor desta análise é a perspectiva simbólica do arquétipo do herói e através das etapas percorridas por ele, ou seja, através de seus ritos de passagem podemos compreender os caminhos que Batman e Superman seguem.
É importante descrever rapidamente os conceitos que estaremos usando para esta análise. Jung traz para sua teoria o conceito de Inconsciente Coletivo, um substrato psíquico comum entre a humanidade onde residem forças chamadas Arquétipos que seriam as bases das relações do homem com o mundo, com o social, com o outro e com a natureza. Estas forças seriam expressas em cada indivíduo através de imagens arquetípicas, que ao chegarem à consciência ganham uma roupagem individual através dos Complexos -"nós" afetivos que habitam o inconsciente pessoal e que dão às imagens arquetípicas a singularidade de cada indivíduo. Assim, as relações do homem com o outro, com o mundo e com a natureza são atualizadas a cada geração, a cada expressão artística do homem, a cada nova modalidade de estar e de ser no mundo.
A análise junguiana das imagens arquetípicas é feita através da perspectiva mitológica, sejam elas gregas, egípcias, hindus, nórdicas, africanas ou indígenas. Etimologicamente a palavra mito vem do grego mythos, que significa fábula, mas em seu sentido figurativo quer dizer utopia, símbolo, enigma, que foi ao longo da história retirado de "todo valor religioso e metafísico, em contraposição ao logos, assim como posteriormente à história". Entretanto, o mito será entendido aqui, como algo "vivo no sentido de fornecer os modelos para a conduta humana" (ELIADE, 1972). O mundo interno do homem e suas relações são revelados através do mito, e para alcançar esse mundo,o ele precisa ser irracional e alegorizado, por isso não devemos nos ater a interpretações pragmáticas em suas leituras, pois os símbolos não comportam significados, eles são passíveis de serem "arremessados ao tempo" (BRANDÃO, 2000). Outra ferramenta muito utilizada como mecanismo de projeção e análise simbólica é o tarô. Esse conjunto de cartas conta uma história, seja ela divinatória ou mítica com suas imagens, de origem e tempo indeterminados, que revelam a trajetória do homem em busca da individuação. 

O encontro da imagem com a palavra - a iconografia e as HQs

A etimologia da palavra iconografia vem do grego eikón, imagem + graph, de graphein, descrever, e é, dentre outros sentidos, a arte de representar através de imagens.
Na antiga civilização egípcia foram encontrados hieróglifos contando histórias de guerras, pragas, religião e tecnologias. Os romanos usavam seus desenhos em grandes colunas para contar as guerras e outras histórias de sua civilização, na Idade Média a via sacra de Cristo fora contada nos vitrais das grandes catedrais e na modernidade a história em quadrinhos pode ser considerada uma iconografia atual.
Considerado o pioneiro nesta arte, o professor Rodolphe Topffer desenhou em 1827 o M. Vieux-Bois.


Entretanto, a primeira tirinha publicada foi Yellow Kid, por Richard Felton Outcault em 1895, onde as falas foram introduzidas nos desenhos mostrando a sequencia narrada. No Brasil, em 1869, As aventuras de Nho-Quim e Zé Caipora foram criadas pelo caricaturista Ângelo Agostini.

  
As Aventuras de Nho-Quim                                                            Zé Caipora

The Yellow Kid

As histórias em quadrinhos conseguem colocar as imagens e a linguagem escrita num mesmo veículo de expressão, utilizando-se ainda da irracionalidade dos mitos, com seus entes sobrenaturais carregados de simbolismos. Sendo assim, surge a questão: é possível usar as histórias em quadrinhos como fonte de imagens arquetípicas na sociedade moderna e contemporânea?
Se pensarmos que o fenômeno da projeção atua sobre qualquer objeto, então sim, as histórias em quadrinhos podem ser usadas como fonte de imagens arquetípicas e analisadas de forma simbólica dentro das relações humanas. 

Superman - O Homem de Aço

A história do Homem de Aço foi escrita em 1938 por Joel Shuster e Jerryl Siegel mudando a cara das histórias em quadrinhos que até então não tinham um herói com um super no nome. Inicialmente Superman seria concebido como um vilão com poderes intelectuais, mas a versão não agradou e então foi mudada para o herói de aço.
Sua saga começa quando seu pai biológico Jor-L, um renomado cientista do Planeta Krypton, descobre que seu planeta será destruído por uma explosão. Ele e sua esposa, Lora, constroem uma nave que levaria seu pequeno filho Kal-L ao Planeta Terra. Ao chegar aqui, a nave cai na fazenda de Jonathan e Martha Kent, que o adotam e rebatizam sob o nome de Clark Kent.
Aos 8 anos, Clark começa a perceber sua diferença em relação aos demais amigos, algumas habilidade começam a aguçar, como a super velocidade, a visão de raio-X e audição super apurada. Aos 17 anos ele já voava e aos 18 ele decide viajar o mundo para aprender mais sobre si mesmo. Após 4 anos de viagens ele cursa a faculdade de jornalismo em Metrópolis e 7 anos depois de sua saída de Smallville ele salva um avião especial da NASA e revela sua identidade como Superman.
Mas ao mesmo tempo que se revela como herói, é preciso manter sua identidade como homem da Terra, e Clark Kent se emprega no Daily Planet, o jornal da cidade. É neste jornal que ele conhece Lois Lane, sua colega de trabalho por quem se apaixona profundamente.
Aos 28 anos ele descore na nave que o trouxe à Terra um artefato deixado por seu pai biológico contando sobre sua origem Kryptoniana (relatado no filme Superman - O Homem de Aço, 2013) e a origem de sua maior fraqueza, a exposição ao mineral kriptonita que o deixa como um terráqueo, vulnerável. Porém, ao ser descarregado pela pedra, ele pode restabelecer seus poderes ao entrar em contato com o Sol amarelo de nosso Sistema Solar, pois é ele que confere as habilidades meta humanas de Superman. Em Krypton, o Sol vermelho, próprio para seu metabolismo, não confere forças especiais ao seus habitantes.
Essas habilidades especiais também podem ser exauridas nos combates mais extenuantes, como a batalha contra o vilão Apocalipse, onde ambos morrem. Esta morte não é o fim das histórias do Homem de Aço, ele retorna anos depois (Superman o Retorno, 2006).

Batman o Homem Morcego

A história do Batman foi criado por Bob Kane em 1939, período onde a popularidade do Superman estava nas alturas e a DC Comics decidiu criar outro herói com capa, mas dessa vez um homem comum, um humano.
Sua história se passa em Gothan City (que pode ser traduzida como cidade maldita, e é um pequeno vilarejo na Inglaterra que na Idade Média seus habitantes fingiam-se de loucos para não pagar impostos). Lá, Bruce Wayne é filho dos milionários Thomas e Martha Wayne.
Uma noite, ao sair do cinema com seus pais, são abordados por um criminoso, Joe Chill, que declara o assalto. Thomas reage para proteger a esposa e o filho, Joe atira no pai e na mãe de Bruce, matando-os em frente ao pequeno que à época estava com aproximadamente 6 anos de idade.
Após a morte ele fica sob os cuidados do mordomo Alfred até terminar seus estudos aos 18 anos, quando decide viajar pelo mundo em busca de um sentido na vida, uma maneira de fazer justiça, de despertar medo nos criminosos que assombram a cidade (retratado no filme Batman Begins, de Cristhopher Nolan).
Ele passa 7 anos fora aprendendo como os criminosos pensam, como eles se sentem, como eles agem. Estudou artes marciais e tudo mais que precisava para conhecer profundamente a mente criminosa, e então retorna à sua cidade para tomar posse de suas empresas e dar início a sua jornada como justiceiro. Entretanto, como Bruce Wayne ele acredita que não conseguirá deter o crime, mas como símbolo sim. Nasce então o Batman, o homem da noite escura (Darknight) que usa seu maior medo, o morcego, como fonte de coragem para conseguir justiça. Começa a saga do homem que de noite é justiceiro mas que durante o dia precisa manter sua identidade de milionário excêntrico e esbanjador, cuja vida amorosa é bem complicada, pois Bruce não cultiva nenhum tipo de relacionamento a dois, marcando sua vida de Cavaleiro Solitário.

O nascimento complicado

Para o herói a vida é cheia de provações e caminhos tortuosos que começam logo no seu nascimento. O nascimento do herói é sempre marcado por complicações no parto, dramas, mortes ou rejeições, logo, não poderia ser diferente com Supeman e Batman.

Logo após seu nascimento, Superman fora colocado dentro de uma nave e levado a um planeta desconhecido. Ainda na nave ele vê os destroços de seu planeta de origem. 
O ato de nascer significa mais que o ato biológico de vir ao mundo. Dentro de uma perspectiva simbólica, nascer significa dar à luz alguma transformação interna, subjetiva e singular de um indivíduo, e no caso do herói o sofrimento e a angústia põem à prova sua condição heroica.
Como em Superman vemos também esse nascimento complicado em outros heróis gregos conhecidos como Édipo, que ao ser predestinado a matar seu pai e casar-se com sua mãe, fora jogado no rio para que o leve à morte. Porém ele é resgatado e salvo. Perseu ao nascer é encerrado em uma arca com sua mãe, mas consegue se salvar. Moisés também foi rejeitado e colocado em uma cesta no rio Nilo para morrer, mas como todos os outros, é resgatado e criado por uma nova família.

Moisés confiado as águas - Nicolas Poussin

Somado a essa condição heroica do nascimento, a morte das primeiras figuras parentais nos revela o momento de ruptura com a simbiose materna, logo a explosão de Krypton pode ser vista como o início de uma diferenciação do Eu. A queda da nave também se encontra nos textos do Novo Testamento, onde a queda do paraíso mostra a perda da condição de paraíso e bonança em que o homem vivia, mais uma metáfora da ruptura da relação simbiótica mãe-filho. 
Após a rejeição, a perda da relação parental e o resgate, há o batismo, ou seja, o novo nome, a nova identidade que tem o valor de "dupla paternidade", ou seja, Jung diz que a criança vê seus pais divinizados e precisam manter essa referência, daí o papel fundamental dos padrinhos, aqueles que mantem a visão divina da relação parental, ou seja, os padrinhos substituem a condição divina que os pais perdem ao longo da diferenciação do Eu.
Em Batman, o momento da morte de seus pais, o momento da queda, onde o paraíso dá lugar ao inferno da dor e do sofrimento pela perda brutal de seus pais marca a ruptura com a simbiose materna. Essa ruptura foi feita aos 6 anos de idade. No tarô o número 6 é a carta dos Enamorados cujo simbolismo é o momento da escolha entre a permanência nas águas maternas ou a busca pela diferenciação do Eu e o encontro com outras figuras femininas. Através dessa percepção podemos colocar como questão a possibilidade desse corte não ter sido feito com sucesso e por isso a fixação de Batman no momento da morte de seus pais e consequente dificuldade de estruturar relacionamentos amorosos. Também através da perspectiva psicanalítica, é neste momento que se dá a resolução do Complexo de Édipo, que quando não bem realizado transforma-se em fixação pela figura materna.

                                   

            Momento da queda de Superman ao sair de seu planeta                             A carta 6 do Tarô de Marsella que     
               e do Batman ao perder seus pais mortos num assalto.                                    revela a escolha do herói


A descoberta da singularidade e os ritos de passagem

Aos oito anos Clark percebe-se diferentes de seus amigos. Este número está presente em diversos mitos e marca o momento dos grandes feitos do herói. Aos 8 meses Hércules estrangula as duas serpentes enviadas por Hera, no tarô o 8 representa a carta da Justiça que fala da busca pelos valores racionais, os princípios norteadores, sem paixão e sem que a emoção tome conta de suas decisões. Esta carta está profundamente ligada a construção do Ego. Para os japoneses o 8 deitado é o infinito cuja simbologia representa "uma multidão organizada", ou seja, uma "organização" do consciente frente aos conteúdos "desorganizados" do inconsciente.
Assim se desenvolve a personalidade do Superman, uma busca pela retidão de valores, pela ética e "pela luta em busca da perfeição concebida pela mente e pelo espírito" (GREENE, 1989).

A carta da justiça no Tarô de Marselha


Aos 18 anos quando sai de Samallville (cuja tradução é cidade pequena) Superman parte em busca de um sentido na vida. Esse é um dos ritos de passagem do herói, o momento que Campbell descreve como o rito em que ele começa sua jornada e formação iniciática onde aprende e desenvolve seus poderes pelo mundo.
Também vemos essa formação iniciática quando Hércules passa pela doze tarefas, quando Buddha deixa seu palácio para descobrir o caminho da iluminação, quando Moisés passa pelas provações do deserto e quando Cristo passa 40 dias também no deserto.
Aqui a ruptura é com a figura do pai, a identidade de referência precisa ser desconstruída e a sua, própria e singular, precisa ser descoberta.
Os ritos de passagem são vistos até hoje em comunidades tribais como as indígenas, as africanas e outras ditas como arcaicas, onde o jovem menino fica recluso um tempo longe de casa e passa por diversos ritos que marcam a sua bravura e sua nova condição de homem.
Também aos 18 anos, Batman parte de sua cidade natal em busca do conhecimento sobre si e sobre o mundo. No tarot a carta 18 é marcada pela figura da Lua, que mostra o herói passando por caminhos tenebrosos e grandes desafios como a passagem pelo dois cães, semelhante ao Cérbero, o cão de duas cabeças que guarda a porta de saída do mundo de Hades, logo este momento de saída pode ser compreendido como a catábase, o momento de confronto com o mundo sombrio de sua própria personalidade. Os vários simbolismos contidos nesta carta revela os perigos desse momento, pois a Lua "suga-lhes as energias, desviando o herói da ação deliberada. A Deusa Lua é feiticeira e encantadora. Como Luna, pode levar o homem à loucura" (NICHOLS, 1988).

Carta 18 do Tarô de Marselha

Este é um momento delicado da história de Batman, pois apesar dele ser apresentado como um herói, há nele, muitas características de um anti-herói, pois a linha que ele caminha entre combater o crime e ser um criminoso é muito tênue, por isso é aclamado por uns e perseguido por outros, diferente de Superman, cuja conduta é tomada como irreparável. Junito Brandão nos diz que
O herói acumula, como fartamente se mostrou, atributos contraditórios. De natureza excepcional, ambivalente, não raro aberrante e monstruosa, o herói se revela resplandescente e tenebroso, simultaneamente bom e mau, benfeitor e flagelo. Dominado por uma (hýbris) incoercível, sua 'demésure', seus descomedimento não conhece fronteiras nem limites.
Entretanto o grande rito que marca definitivamente a condição de herói é a morte. Aqui nesta passagem ele prova a si e aos outros que não é mortal como os homens, visto a continuidade de seus gestos post-morten, mas também não é imortal como os deuses do Olimpo. Em Hércules a morte mata o homem mortal, mas legitima sua condição de filho de Zeus. Cristo é morto na cruz, e sua condição humana dá lugar ao filho de Deus que ressurge e salva a humanidade de todos os pecados.

                                                     


Na história de Superman, ainda que tenha uma superforça, ele não é imortal, e na luta contra Apocalipse sua força se esvai e morre. A etimologia de Apocalipse vem do grego apokálypsis que significa a ação de descobrir, de revelar, ou seja, a morte traz uma revelação, a certeza de sua condição semi-divina, capaz agora de passar por mais um rito de passagem: a união do animus com a anima ou o casamento divino.
O casamento do Superman se dá após seu retorno, assim como Hércules casa-se com Hebe e Perseu com Andrômeda, Superman se casa com Lois Lane.

     


Batman entretanto, segue um curso em sua formação iniciática diferente de Superman mostrando sua complexidade. O número 7, anos que ficou fora de casa, representa a carta do carro no tarô, cuja simbologia revela o momento subsequente da carta dos enamorados, a escolha, o momento em que ele parte sem olhar para traz, rompendo com a simbiose da Grande Mãe assim como Parsifal o fez ao deixar sua mãe caida aos prantos, e sem duvidar parte em busca de seu objetivo para tornar-se cavaleiro. Após essa escolha ele chega à carta do Carro, onde começa sua jornada de encontro com suas possibilidades mas também com suas limitações. Salli Nichols nos diz que
Toda jornada oferece inúmeras oportunidades de novas percepções e também nos expõe aos riscos da desorientação. O fato de ficar sozinhonuma terra estranha, sem o apoio da família, dos vizinhos ou dos amigos, cria certo tempo de verdade qaundo o herói pode descobrir quem realmente é - ou pode ser destruído pela experiência.
Carta 7 do Tarô de Marsella

Neste momento chegamos a outra questão: será ele um herói ou um bandido bonzinho? Essa é a ambiguidade de um anti-herói. Porém, esse dualismo nos leva a relexão sobre os aspectos sombrios que um herói possui.

Persona e Sombra

Persona tem como significado as máscaras usadas pelos gregos em seus teatros, entretanto, contrariando esta explicação, a máscara usada por Batman não é aquela de seu uniforme, é a cara do milionário Bruce Wayne. Máscara vem de maskhara, disfarce, dissimulação, falsa aparência, vemos isso na atuação de Bruce Wayne e não no Batman, mais próximo de sua verdadeira personalidade do que o primeiro, pois ao sair da função de justiceiro sobra o vazio, a dor e a aridez de uma vida solitária. Sombra é o termo cunhado por Jung a tudo aquilo que não está no perímetro da consciência, independente de seus atributos positivos ou negativos. Nas histórias dos heróis a sombra é representada pelos vilões, Lex Luthor o humano que deseja ser o super humano Superman e Coringa, o trickster que coagula as características subversivas do Batman.
Trickster é aquela deidade, homem ou animal antropomórfico que prega peças, desobedece regras e normas de comportamento. Coringa é o trickster do Batman, o provocador sarcástico que se autoriza a fazer em Gotham a justiça sem a moralidade que Batman deseja fazer. Vemos esse personagem na mitologia nórdica através de Loki, na mitologia yorubá com o Exu e Hermes, para os gregos também cumpre esse papel.

     

                Loki num manuscrito do séc. XVIII                                         Coringa de Grant Morisson


Batman e Superman como funções psíquicas em nós

Ao longo das explanações acima podemos ver que os caminhos dos heróis Batman e Superman se diferenciam em muitos pontos, o que nos faz pensar se cada um deles pode reger na verdade funções psíquicas dentro de cada um de nós, cujos caminhos são diferentes e que em alguns momentos de nossas percepções se encontram.
Ao analisarmos a história, os ritos de passagem e a resolução dessas fases na história do Homem de Aço, podemos fazer um paralelo com a história da formação da consciência, ou seja, do Ego. Superman é um herói solar, cuja força é carregada pelo contato direto com a luz do Sol, assim como Apolo, Deus grego que rege a consciência, a beleza, a justiça, a medicina, a música matematicamente perfeita e a mira certeira de suas flechas. É metódico e defensor das regras, das leis e da ordem. Assim é a vida de Clark Kent/Superman, com retidão, ordem e objetividade.
Podemos ver que a maioria das imagens relacionadas ao super herói mostra o Sol, o dia, a clareza, a ordem e a beleza.

 

Enquanto que o Batman está relacionado à noite, a escuridão, ao medo e ao invisível. Um homem sombrio, confuso, sem vínculos afetivos e preso numa história, num nó afetivo que não se resolve. Batman é o representante do inconsciente, dos complexos que habitam nossa mente, é a obscuridade que caminha delicadamente entre a loucura e a justiça.

Batman e Superman ou Batman X Superman

Muitos episódios foram lançados pela DC Comics, empresa que publica as HQs dos heróis Batman e Superman, e em muitas delas vemos a luta entre um e outro e a cooperação mútua contra grandes vilões.
Olhando pela perspectiva simbólica de funções psíquicas que ambos possuem, cabe dizer que as duas atuações acontecem em nossa mente. Há momentos de grande conflito entre consciência e inconsciente e há momentos de diálogo, de fluidez.

                                                    

Importante pontuar que ambos os heróis estão dentro de nós e talvez por isso a grande popularidade de ambos, cabe aos terapeutas e analistas saberem enxergar a evolução das imagens arquetípicas através do tempo, as mudanças das expressões afetivas da humanidade e a atualização das relações do homem com o outro e com o mundo-natureza.
A breve e resumida análise feita neste texto nos mostra que a mudanças das imagens arquetípicas dos grandes mitos gregos para as histórias em quadrinhos não são as únicas modificações da expressão dos arquétipos na humanidade. Mas também o homem dos tempos míticos e o homem das HQs também não é mais o mesmo. Dennis O'Neil chama este momento de problema, pois nos remete a Heráclito quando ele diz que não se pode entrar duas vezes no mesmo rio, isso porque as águas não são mais as mesmas, o fluxo mudou. 
O universo é uma constante mudança, o que era caos se organizou em céu e terra, o que era "Yin tornou-se Yang, a luz se torna escuridão, o calor se torna frio" (IRWIN, 2005).
Assim o problema de Heráclito se soluciona, pois "as mudanças do rio de Heráclito não são o único motivo por você não poder entrar nele duas vezes. Você é o motivo. Você mudou."(DE LANDA, 2002).

Finalizo aqui o pequeno recorte do meu trabalho de conclusão de curso feito em 2007, muito do que foi escrito precisa de atualização, afinal, o rio continua seguindo, assim como eu. 




Bibliografia

BRANDÃO, Junito. Mitologia Grega. Vol. I, II e III. Petrópolis: Vozes, 2000.
ELIADE, Mircea. Mito e Realidade. São Paulo: Perspectiva, 1972
JUNG, C. G. Fundamentos da Psicologia Analítica. Vol. XVII/1. Petrópolis: Vozes, 1985
__________. O Homem e seus Símbolos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2022
MORRIS, Matt, MORRIS, Tom. Super-Heróis e a Filosofia: Verdade, Justiça e o Caminho Socrático. São Paulo: Madras, 2005.
NICHOLS, Salli. Jung e o Tarô - Uma Jornada Arquetípica. São Paulo: Cultrix, 1988.
SAMULES, Andrews. Jung e os Pós Junguianos. Rio de Janeiro: Imago, 1989.
SHARMAM-BUCK, Juliet, GREENE, Liz. O Tarô Mitológico: Uma nova Abordagem para a Leitura do Tarô. Rio de Janeiro: Siciliano, 1989.
DC Comics: http://www.dccomics.com/
DE LANDA, Manuel. Geologia da Moral. Tradução de Maria Cristina de Resende e revisão técnica de Nelson Job. Disponível em http://cosmoseconsciencia.blogspot.com.br/2009/02/geologia-da-moral.html



5 comentários:

  1. Olá
    Eu assisti ao novo filme é depois de ler o texto, como montar um quebra cabeça, eu fiz as associações entre a teoria analítica e os personagens.
    Como também trato deste tema: Herói, acho que você desenvolve bem sobre os aspectos envolvidos e âncora o grande sonho do super herói vitorioso. A jornada é meu foco de observadora. Parabéns. Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola sunflower, agradeço o comentário. Desenvolvi este tema há muito tempo e de fato a caminhada do herói, principalmente dentro da perspectiva da sizígia Puer-Senex me atrai muito. No caso deste texto não pude incluir alguns conceitos como o Senex na imagem do Velho Sábio, que no caso seria Alfred, o mordomo. Mas acredito que este ano, com os projetos que estamos desenvolvendo, consigamos construir um espaço onde textos maiores com mais explanação conceitual possam ser divulgados, e ai, este estará lá...rsrsrsrs
      beijos Maria Cristina

      Excluir
  2. Gostei muito do texto e em especial por tratar de uma análise da jornada de dois heróis atuais. Interessante seria se pudesse trazer este tema - Heróis da modernidade para um trabalho em grupo associado à expressão plastica num atelier livre. Auxiliaria muito no atendimento à crianças, adolescentes e jovens adultos, frente à complexidade de nossos tempos. Parabéns. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Seyva, obrigada pelo comentário. Este tema é muito caro para mim, foi meu tema de conclusão da faculdade há bastante tempo atrás. De fato a psicologia junguiana ainda usa como metáforas os mitos da antiguidade, e não se aproxima das linguagens atuais que também possuem em si elementos míticos travestidos com aspectos contemporâneos, mas estão ali. Acho importante o terapeuta que trabalhe com crianças se aproximar desses conteúdos míticos e transferir para as histórias modernas os conflitos psíquicos que aparecem em ambos e assim poder usar, como um espelho, as histórias atuais para que a afinidade possa assegurar o impacto psíquico da história. Como por exemplo o super famoso jogo de video game Minecraft, recebi de um paciente de 9 anos a imagem do personagem deste jogo, busquei conhecer tal imagem, seu contexto dentro da história do jogo e fazer a correlação com os mitologemas que conheço da antiguidade. Assim, posso compreender, a partir da linguagem atual, uma dinâmica arquetípica que pode estar ocorrendo em sua psique. Se precisar de alguma orientação ou quiser trocar informações é só entra em contato pelo email: naopalavra@gmail.com, bjão.

      Excluir
  3. Gostei muito do texto e em especial por tratar de uma análise da jornada de dois heróis atuais. Interessante seria se pudesse trazer este tema - Heróis da modernidade para um trabalho em grupo associado à expressão plastica num atelier livre. Auxiliaria muito no atendimento à crianças, adolescentes e jovens adultos, frente à complexidade de nossos tempos. Parabéns. Bjs.

    ResponderExcluir