segunda-feira, 19 de agosto de 2019

“O OLHAR QUE NÃO SE PERDEU”: Diálogos arteterapêuticos entre pai e filha


Por Claudia Maria Orfei Abe - São Paulo / SP                                                                           leonardo.claudia@gmail.com
Relato aqui neste blog, uma experiência incrível que tive utilizando criatividade e manejo arteterapêutico. Momentos únicos, uma construção de memórias entre pai e filha.

Meu pai tem 85 anos, dentista aposentado, viúvo há 2 anos, diagnosticado com doença de Alzheimer em estágio inicial, quando foi realizado este trabalho. A doença está progredindo. Já não lembra que tem bisneto, está esquecendo do neto, do nome do meu marido ... tem horas que não fala “lé com cré”... às vezes sua escrita tem erros de português ou não tem nexo.

Por conta disto, tenho feito com ele estimulação através de atividades arteterapêuticas.

Este ano participei do curso “Apreciação Estética: Arte e Natureza”, oferecido gratuitamente pela Prefeitura de São Paulo, na UMAPAZ (Universidade Aberta do Meio Ambiente e Cultura de Paz). Fiquei encantada com as aulas e vi ali uma oportunidade de levar o conteúdo das aulas para o meu pai, apreciador de arte quando criança.

Escolhi algumas obras apresentadas durante o curso e usando um pouco do manejo arteterapêutico, ele produziu os trabalhos e compartilhamos.

As imagens das obras originais que serviram de inspiração, os leitores poderão buscar na internet.



Seguem seus trabalhos:

1. As formas vegetais da natureza, 2019.
Gravetos s/ papel.
Inspirado em: Rivers and Tides, vídeo do artista Andy Goldsworthy.



“Só tive que arrumar círculos devido a matéria prima ser semicircular. Tive que fazer círculos, não ia endireitar. Fiquei alegre pela oportunidade de fazer montagens semicirculares e a beleza do marrom sobre o branco.”

2. Harmonia da natureza dos galhos, 2019.
Colagem de ramo vegetal s/ papel.
Inspirado em fotografia impressa de mandalas de folhas coloridas.



"já pode ir colando? Não pode fazer uma coisa muito firme... o jeito era encostar o galho e ver só onde encostava no papel e colar... porque se colocar algo por cima (peso) perde a graça... tem que ficar as folhas naturais... prender só o principal... deixar solto... as folhas estão todas à vontade... não está como uma gravura assim pintada... se puser mais coisa tira toda a beleza dos galhos que está bom.. .não é uma pintura. Deixar a coisa natural ".

Ele ergue o trabalho e mostra que as folhas têm que ter movimento.

3. Copos e taças do vinho, 2019.
Esferográfica em sulfite.
Inspirado em Natureza Morta de Caravaggio.


Com este tema, fez também um exercício de escrita criativa...

4. Ser humano observando a natureza, 2019.
Esferográfica e lápis preto aquarelável s/ papel.
Inspirado em pintura da paisagem de Caspar David Friedrich.


Utilizada a técnica de desenho rápido em cinco minutos.
No dia seguinte, peguei a obra dele e perguntei: “O que você acha desta obra? Conhece ao autor?” Ele fez que não. Daí mostrei sua assinatura. Ele reconheceu e deu uma risadinha.

5. Sol, nuvem e montanhas, modernamente construídos, 2019.
Colagem s/ papel.
Inspirado em pintura da paisagem de Julian Opie.


Nesta atividade, ele se levanta, caminha até a cristaleira e pega um cálice para riscar o molde do sol. Ao término de cada atividade, ele fala: “Muito obrigado pela oportunidade”.

Como finalização do curso, cada aluno apresentou um trabalho para a exposição lá nos corredores da UMAPAZ. Por sugestão da amiga Rita Maria, reuni os cinco trabalhos realizados por meu pai, ele deu o título a cada trabalho, e na obra final, coloquei o título “O Olhar que não se perdeu”. Meu marido falou que o título deveria ter a palavra OLHAR, então eu criei o título, considerando que meu pai perdeu praticamente a visão do olho direito por causa de glaucoma.



Consegui levar meu pai para ver a exposição, num sábado, no meio de um feriado, com a UMAPAZ em silêncio, e praticamente vazia. Ele não lembrou que fez, mas reconheceu seu nome nos títulos e sua assinatura nas obras.

Com minha ajuda, ele confeccionou o caderno do artista, que acompanhou a obra.


Após o encerramento da exposição, lemos juntos os recados escritos no Caderno do Artista. 

“Agora eu quero fazer um trabalho para agradecer as pessoas que foram apreciar minhas obras. Mas quero fazer algo planejado”.

Para mim, além de todo esse processo vivido, o principal é inspirar pessoas a construírem memórias com os seus idosos. No Alzheimer, o que importa é o momento vivido porque logo em seguida ele será esquecido...
Ele que era um apreciador de artes quando criança, agora é um apreciador das artes.

_________________________________________________________________________

Sobre a autora: Claudia Maria Orfei Abe



Arteterapeuta e Farmacêutica

Farmacêutica-Bioquímica graduada pela UNESP Araraquara-SP.
Especialista em Farmácia Homeopática pela USP-SP.
Especialista em Organização de Serviços em Dependência Química pela UNIFESP-SP.
Especialista em Gestão da Assistência Farmacêutica pela UFSC-Universidade Federal de Santa Catarina-SC
Especialista em Arteterapia e Criatividade pela Faculdade Vicentina-PR  
Focalizadora de Danças Circulares pela Prefeitura do Município de São Paulo-SP

27 comentários:

  1. Parabéns, Claudia pelo iniciativa e lindo trabalho!!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, Cláudia! Sensível, criativo, emocionante, cheio de amor e carinho. Seu papai é um fofo!!! Tânia Salete, Fortaleza

    ResponderExcluir
  3. Claudia, parabéns pelo trabalho e dedicação.
    Como falei... Que dupla!
    Me emociona muito.
    Muito orgulhoso de fazer parte de sua vida!
    Leonardo, marido e fã.


    ResponderExcluir
  4. Cláudia amiga, parabéns pelo trabalho. Força e dedicação. Entender idosos é pra poucos. Beijo grande pra você

    ResponderExcluir
  5. Parabéns, Cláudia, que enxerga possibilidades em todas as situações; possibilidades de expansão, significação, ampliação do humano! Sensibilidade, curiosidade, empenho, entusiasmo, tudo isso transparece no seu trabalho, Cláudia, uma mulher inspiradora!

    ResponderExcluir
  6. Muito bom Claudinha Maria o desenvolvimento deste trabalho com seu pai. Ele pode não lembrar das obras... Mas todo o amor q isso envolve, ele não precisa lembrar, ele senti todos os dias ao lado de cada um da família!

    ResponderExcluir
  7. Uaaaauuuu!!! Trabalhos sensíveis, sensoriais,sensacionais....com certeza é mais que arte para você e para ele...Parabéns pela sua dedicação e oportunidade que você está oferecendo ao seu pai! Energia que cria e recria o olhar dele a cada instante...bjs no 💚!

    ResponderExcluir
  8. Parabéns Claudia trabalho lindo e inspirador. Bjs

    ResponderExcluir
  9. Claudia parabéns pelo trabalho e dedicação
    Que retorno gratificante
    Muito emocionante

    ResponderExcluir
  10. Querida Cláudia, que trabalho lindo!! Que dedicação!!Que prova de amor pelo seu pai!! Ideias que com certeza servirão para outros! Parabéns!

    ResponderExcluir
  11. Linda demonstração de carinho. Certamente, nos momentos de lucidez,seu papai ficou muito feliz!

    ResponderExcluir
  12. Que lindo Cláudia!!
    Seu amor pelo seu pai me emocionou muito. Saudade da querida amiga que não vejo há tanto tempo.
    Um beijo no coração.

    ResponderExcluir
  13. Oi Clau...que trabalho lindo dedicado a seu pai,..é tanto amor e carinho que tudo se torna mais leve...parabéns...super bjo nesse coração maravilhoso!♥️🌻🌿🍁😘

    ResponderExcluir
  14. Muito legal, minha xara! Que olhar sensível e meigo vc teve p fazer esse trabalho junto ao seu pai! Meu pai tb está c Alzheimer já em fase avançada e me emocionou seu texto. Parabéns! Seu pai tb desenha bem hein? Bjo Claudia Isadora

    ResponderExcluir
  15. Claudia, que trabalho lindo, quanta sensibilidade do seu pai,na criação de cada obra com certeza há um despertar do artista que sempre esteve presente. Admirável o que você faz por teu pai. Muita energia para ambos.
    BETHE

    ResponderExcluir
  16. Estou sentindo grande admiração por você Claudia.
    Que trabalho invejável e inspirador.
    Lindos vocês...

    ResponderExcluir
  17. Querida Claudia, valioso é seu trabalho como arteterapeuta e como filha que cria momentos de prazer e bem estar, mesmo que depois as esqueça. Que seus dons se multipliquem cada vez mais. Bjos no coração

    ResponderExcluir
  18. Maravilhoso!!! Emociona-me mais uma vez. Parabéns pelo lindo trabalho.

    ResponderExcluir
  19. Duplo parabéns, Claudia, pelos trabalhos e por sua dedicação com seu pai. Parabéns Abe San! que maravilha!🙏👏👏🙌🏼💜

    ResponderExcluir
  20. Parabéns, Claudia! Que lindo trabalho.Feliz seu pai por ter uma filha tão dedicada!

    ResponderExcluir
  21. Ação interessante. Cláudia, parabéns pelos momentos especiais com o seu pai. Abraços. 💓

    ResponderExcluir
  22. Parabéns Cláudia,muito gratificante ver seu esforço e seu carinho para com seu pai.
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  23. Caminho Amoroso e Inspirador...Que seu relato possa contagiar muitas pessoas a criar momentos preciosos com seus queridos mas esquecidos familiares... Uma Fā

    ResponderExcluir
  24. Caminho Amoroso e Inspirador...Que seu relato possa contagiar muitas pessoas a criar momentos preciosos com seus queridos mas esquecidos familiares... Sua fā Rita Maria

    ResponderExcluir
  25. Maravilhoso trabalho, parabéns por tanta graciosidade e ternura.

    ResponderExcluir
  26. Trabalho lindo e mais lindo o amor dedicado ao pai e o reconhecimento desse amor pelo pai.Elo forte pai e filha.

    ResponderExcluir