segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

TRADUZIR-SE UMA PARTE NA OUTRA PARTE... SERÁ ARTE!!!: Um ensaio para 2018




Por Eliana Moraes (BH) RJ
naopalavra@gmail.com

“Sobre o mesmo chão está o muro
e o lado de lá, que você esqueceu.
Meu chão é o mundo,
tem dois lados em guerra.
Meu mundo é este chão
onde você cresceu e eu também.
Ao redor de muitos,
me apontaram as cercas e os muros,
Eu quis o caminho...”
Marcos Almeida em “Sobre o mesmo chão”

Caminhamos para o fim de 2017 e olhando para trás começamos a refletir sobre aquilo que se passou e aquilo que está por vir. Já há algum tempo venho aguçando minha escuta a partir da clínica da Arteterapia e psicoterapia sobre as demandas terapêuticas trazidas pelos indivíduos que se mostram como reflexos do cenário coletivo. Penso que faz parte das articulações e estudos de qualquer terapeuta o movimento do social para a compreensão do sujeito angustiado, inserido na cultura. Mas neste ano, dei passos em meu estudo sobre o papel da arte e do artista (ao qual tenho inserido o arteterapeuta como função no social da atualidade) e pude me aprofundar na percepção da importância deste que Kandinsky até mesmo chama de profeta:
“Então sempre surge um homem, um de nós, em tudo nosso semelhante, mas que possui uma força de ‘visão’ misteriosamente infundida nele. Ele vê o que será e o faz ver. Por vezes desejaria libertar-se desse dom sublime, dessa pesada cruz sob a qual verga. Mas não pode. Apesar das zombarias e do ódio, atrela-se à pesada carroça da humanidade, a fim de soltá-la das pedras que a retêm e, com todas as suas forças, impele-a para a frente...
Aquele que, entre eles, é capaz de olhar além dos limites da parte a que pertence é um profeta para os que o cercam. Ele ajuda a fazer avançar a carroça recalcitrante... Essa multidão tem fome – muitas vezes sem que ela própria esteja consciente disso – o pão espiritual quem convém às suas necessidades.” KANDINSKY 
Sem dúvida uma das questões que mais apareceram em minha clínica, individual e grupal ao longo de 2017, foi sobre relacionamentos, especialmente os atritos que em última análise tiveram como disparador inicial a intolerância ao outro, ao diferente. Assuntos não faltam, dentre eles, religião e política. Esta última me preocupa de forma especial pois uma sensação muito estranha me toma quando penso que no próximo ano teremos eleições federais e estaduais e a partir da minha sensibilidade advinda da arte, visualizo um campo de guerra generalizado em nossa terra. 
Um fenômeno de massa ao qual faz crescer as cercas e os muros, dois lados em guerra, uns pela direita e outros pela esquerda, e todos se esquecem que estamos no mesmo chão. Os conflitos invariavelmente partem de um discurso polarizado: o ser humano com seu “eterno dom” de se bipartir e oscilar entre os polos opostos. 
Atendendo a convocação para o artista que “apesar das zombarias e do ódio, atrela-se à pesada carroça da humanidade, a fim de soltá-las das pedras que as retêm e com todas as suas forças, impele-a para frente...”, tenho me inspirado nas cores para colocar pessoas diante de suas polaridades, para que no diálogo com/entre elas percebam que “as partes” habitam em cada um de nós e justamente a não integração delas é que promove o fenômeno da projeção daquilo que não aceito em mim no outro. Assim dispersa-se de prioridades como relação e afeto e instala-se o clima do ódio. 
“Traduzir-se”: vivências em Arteterapia 
Naturalmente o primeiro polo em cores que visualizamos é o preto e branco. Binômio carregado de conceitos (e também preconceitos) culturais, que podem encarnar significados como bom e mal, certo e errado, luz e sombra e tudo o mais que cada subjetividade pode projetar. Mas muitas vezes nos dispersamos de quantas possibilidades existem entre o preto e o branco. As diversas tonalidades de cinzas que nos colocam em contato com aquilo que a arte nos presenteia: o degradê.
Mandala para integração das diversas possibilidades em tons entre o preto e o branco

Mas antes que nossos preconceitos nos afastem do cinza, trago a canção/poesia de Mateus Aleluia, que me orienta à ressignificação desta cor tão generosa: 
“Na linha do horizonte tem um fundo cinza
Pra lá dessa linha eu me lanço, e vou
Não aceito quando dizem que o fim é cinza
Se eu vejo cinza como um início em cor

Quando tudo finda, dizem, virou cinza
Equívoco pois cinza cura, poesia eu sou

O traje cinza lembra fidalguia
Quarta-feira cinza é dia de louvor

Vamos celebrar, o amor há de renascer das cinzas
Vamos festejar o cinza com amor
Gota de orvalho prateada é cinza
Massa encefálica é cinza, amor

A purificação também se faz com cinza
Fênix renasceu das cinzas com honor

Só quero dêngo quando o dia é cinza
Ler poesia e cantar ao sol

Dedilho a viola e sonho colorido
E vejo no amante que o cinza desnudou

Vamos celebrar, o amor há de renascer das cinzas
Vamos festejar o cinza com amor” Amor Cinza


Outra possibilidade de experienciar as polaridades através das cores se dá quanto exploramos o círculo cromático. Pela teoria das cores, há aquelas que são opostas no círculo cromático apresentando os binômios: vermelho/verde, amarelo/roxo, laranja/azul. Experimentar estas polaridades através de colagens ou pinturas nos colocam em diálogo com alguns dos paradoxos que nos habitam como seres humanos e a própria teoria das cores nos acende uma luz quando nos diz que estas cores são “opostas e complementares”.  

O “traduzir-se” aos arteterapeutas

Diálogo com as cores opostas complementares: amarelo e roxo

Tenho oferecido a experiência com as “cores opostas complementares” em diversos contextos da minha prática. Porém, em especial, tenho proposto este mergulho especificamente aos arteterapeutas da minha rede de influência por acreditar com toda minha energia que só poderão oferecer ao social a integração das polaridades através da Arteterapia, aqueles que estiverem em profundo contato com suas próprias metades, antagonismos, contradições... Como disparador de grandes insights, podemos nos inspirar na poesia “Traduzir-se” de Ferreira Gullar, que retrata a condição das partes que o habitavam e aponta para a arte como um caminho possível:
Diálogo com as cores opostas complementares: laranja e azul

“Uma parte de mim
é todo mundo;
outra parte é ninguém:
fundo sem fundo.

Uma parte de mim
é multidão:
outra parte estranheza
e solidão.

Uma parte de mim
pesa, pondera;
outra parte
delira.

Uma parte de mim
almoça e janta;
outra parte
se espanta.

Uma parte de mim
é permanente;
outra parte
se sabe de repente.

Uma parte de mim
é só vertigem;
outra parte,
linguagem.

Traduzir-se uma parte
na outra parte
— que é uma questão
de vida ou morte —
será arte?”

Para 2018 está posta a arena para o embate entre as polaridades. Polos opostos projetados no outro, mas que efetivamente habitam na humanidade de cada um. Reconhecer as partes que dialogam/digladiam no interior de cada sujeito é o grande desafio lançado. Em 2018 responderemos a pergunta de Ferreira Gullar, traduzir uma parte na outra parte será uma arte! Que nós arteterapeutas estejamos prontos e a postos para oferecermos ao social os materiais propícios para a integração das polaridades nas esferas individual e coletiva.  
Diálogo com as cores opostas complementares: verde e vermelho



Referência Bibliográfica:

KANDINSKY, Wassily. Do espiritual na arte.

2 comentários:

  1. Excelentes e importantes reflexões! Parabéns, Eliana!

    ResponderExcluir
  2. Muito actual seu texto, Eliana.
    Vamos tratar que as polaridades conversem entre se, vamos trabalhar pela união e não pela separação

    ResponderExcluir